quinta-feira, 17 de abril de 2014

O Programa Noite de Ronda estará apresentando o CD Sinceridade do cantor e compositor Everson Maré



Buenas amigos vamos reunir o pessoal que hoje a noite é de ronda aqui na Fronteira Gaúcha www.radiofronteiragaucha.com

O Programa Noite de Ronda estará apresentando o  CD Sinceridade  do cantor e compositor Everson Maré, uma cortesia da Loja Virtual Minuano Discos , onde tu pode adquirir este , e outros títulos da nossa música gaúcha acesse www.minuanodiscos.com.br

Te convido a cevar teu mate e acompanhar este passeio por mais uma página musical do nosso folclore gaúcho !

Programa Noite de Ronda vai ao ar das 18h as 20h e tem produção e apresentação de Matias Moura .

CD Sinceridade - Everson Maré.

1 – Enquanto a Cordeona Chora
L - Gujo Teixeira – M- Everson Maré

2- Pra Quem Larga Um Sapucai
L- Érlon Péricles – M – Alex Silveira

3- Semaneiro
L e M – Volmir Coelho

4-Sinceridade
L- Romulo Chaves – M –Everson Maré

5 – A Estrela Torta da Espora
L – Gujo Teixeira – M –Everson Maré

6- Milonga Para Pensar
L – Gujo Teixeira – M –Everson Maré

7- Estrada Nova
L e M – Mauro Moraes

8- No Tranco Que o Zaino Faz
L – Gujo Teixeira – M –Everson Maré

9- Passando o Laço
L e M – Mauro Moraes

10- Guitarra Voz e Querência
L e M – Everson Maré

11- Milonga em Tempo de Seca
L – Vaine Darde – M – Everson Maré
12- Desencontros do Tempo
L – Vaine Darde – M – Everson Maré

13- Virando os Arreios

L – Mauro Moraes – M – Everson Maré 

SAIBA MAIS SOBRE O CD SINCERIDADE




Éverson Maré é instrumentista, compositor, intérprete e arranjador. Através da música, já representou a cultura gaúcha em quase todos os estados brasileiros. Também o fez no Uruguai, Paraguai, Argentina e Estados Unidos e em 2012 finalizou seu primeiro disco intitulado "Sinceridade".

O CD traz obras de poetas renomados como Mauro Moraes, Gujo Teixeira, Vaine Darde, Erlon Péricles, Volmir Coelho , Rômulo Chaves e Alex Silveira. Das 13 músicas que compõem o CD, sete são inéditas, quatro são regravações e das premiadas em festivais, somente duas;  Estrela Torta da Espora, parceria com Gujo Teixeira e Sinceridade parceria com Rômulo Chaves.

O disco Sinceridade conta ainda com a participação dos músicos Carlos de Césaro no baixo, Mano Júnior na gaita,Geovane Marques na gaita e pandeiro e Douglas Mendes no violino. Os violões são do próprio Éverson Maré assim como algumas percussões também.

O disco começou a ser gravado em 2010, segundo Maré sem nenhuma pressa, com muito cuidado e carinho. As gravações foram concluídas em março deste ano. Foi gravado, mixado e masterizado no Estúdio Scheer na cidade de Pelotas.

Maré comenta que fez questão de interpretar todas as músicas, e destaca como participações especiais todos os amigos envolvidos no SINCERIDADE tanto músicos como os autores pela confiança depositada, e destaca ainda o importante apoio da Loja Gaúcho e Prenda e a parceria com a Gravadora Vozes.

Dentre as composições Maré presta sua homenagem ao amigo e ídolo José Claudio Machado, com a música “Milonga em Tempo de Seca”, que é uma continuação da Milonga Abaixo de Mau Tempo. Letra de Vaine Darde que estava com Mauro Moraes, e o Mauro gentilmente permitiu que Maré musicasse esta letra.


Bocal de Ouro pode revelar favoritos para grande final



Está chegando a hora de uma das mais aguardadas classificatórias ao Freio de Ouro. O Bocal de Ouro, que reúne apenas animais inéditos na disputa, ocorre durante a semana do feriado de Páscoa no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS).

A expectativa para a competição, segundo os jurados, é de uma disputa em alto nível com diversos animais com condições de alcançar uma das vagas para a grande final. Ricardo Vieira Borges, que será jurado dos machos juntamente com César Augusto Rabassa Hax e Ciro Manoel Canto de Freitas, afirma que o tom da prova se dá pelo ineditismo dos animais e pela qualidade nivelada dos conjuntos que entrarão em disputa. "A prova é uma incógnita e não sabemos o que pode acontecer. Temos visto um aumento da competitividade com notas morfológicas expressivas e desempenhos funcionais acima da média", salienta.

Para Rodrigo Albuquerque Py, que julgará as fêmeas ao lado de Daniel de Souza Mello e José Francisco Pereira de Moura, o Bocal de Ouro nos últimos anos tem se revelado uma das classificatórias que mais surgem animais que brigam com força nas primeiras posições do Freio de Ouro. "O Bocal de Ouro tem se revelado uma boa prévia para a grande final durante a Expointer. É uma prova que se decide em detalhes, pois são animais muito próximos em qualidade", avalia.

O presidente da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), Mauro Ferreira, classifica o Bocal de Ouro como o segundo evento funcional mais importante da raça Crioula na atualidade e se trata de uma classificatória diferente das demais e que vem mostrando a confirmação da evolução do cavalo Crioulo. "O Bocal de Ouro reflete o crescimento da raça não só pelo quantitativo mas principalmente pelo qualitativo. Costumeiramente os animais classificados são favoritos ao Freio de Ouro".

Nos últimos cinco anos, nove animais classificados via Bocal de Ouro chegaram entre os três primeiros lugares no Freio de Ouro (veja relação abaixo). Em dois casos neste período, o campeão do Bocal de Ouro também conquistou o título maior da raça na grande final: Uva Merlot 340 Maufer em 2009 e Cadejo da Maior em 2013. Outros animais que tiveram resultados positivos no Bocal de Ouro em um ano conquistaram os primeiros lugares no ano seguinte, como a última vencedora do Freio de Ouro, Oraca do Itapororó, vencedora da classificatória em 2012 e campeã do Freio de Ouro em 2013.

O Freio de Ouro tem o patrocínio de Ipiranga, Massey Ferguson, Banrisul e Vivo e o apoio de Supra e Biscoitos Zezé. A promoção é de ABCCC e Canal Rural.

Os classificados do Bocal que ficaram entre os três primeiros do Freio de Ouro no mesmo ano (de 2009 a 2013)

2009
Uva Merlot 340 Maufer - 1ª no Bocal e 1ª no Freio
Pampa de São Pedro - 1º no Bocal e 2º no Freio

2010

Haragano da Boa Vista - 1º no Bocal e 2º no Freio

2011

RZ Revuelto Cristal da Carapuça - 1º no Bocal e 3º no Freio
Fantasia Cala Bassa - 1ª no Bocal e 2ª no Freio

2012

Oraca do Itapororó - 1ª no Bocal e 2ª no Freio

2013

La Rinconada Golosa - 2ª no Bocal e 3ª no Freio
Cadejo da Maior - 1º no Bocal e 1º no Freio
Buzzo da Maya - 2º no Bocal e 3º no Freio

Confira a programação

15/4/2014 (terça-feira)
12h - Término da Entrada dos Animais da XII Expo Outonal
14h - Concentração de Machos
16h - Início do Exame de Admissão XII Expo Outonal e XV Bocal de Ouro
19h - Encerramento do Exame de Admissão XII Outonal

16/4/2014 (quarta-feira)
8h - Início do julgamento da XII Expo Outonal
13h30min - Continuação do julgamento da XII Expo Outonal e Grande Campeonato
17h30min - Coquetel Entrega de Prêmios - XII Expo Outonal
18h - Encerramento da entrada dos animais do XV Bocal de Ouro
18h - Continuação do Exame de Admissão XV Bocal de Ouro
20h - Encerramento do Exame de Admissão XV Bocal de Ouro
21h - Remate Cavalo Crioulo

17/4/2014 (quinta-feira)
9h - Julgamento Morfológico do XV Bocal de Ouro (Fêmeas)
14h - Julgamento Morfológico do XV Bocal de Ouro (Machos)
21h – Remate Cavalo Crioulo

18/4/2014 (sexta-feira)
8h - Andaduras/Figura/VSP-Esbarradas (Fêmeas)
13h - Andaduras/Figura/VSP-Esbarradas (Machos)
21h - Remate Cavalo Crioulo

19/4/2014 (sábado)
8h - Julgamento Prova de Mangueira (Fêmeas e Machos)
14h - Julgamento Prova de Campo (Fêmeas e Machos)
17h - Classificatória de Paleteada Região 06 - 1ª etapa
21h - Remate Cavalo Crioulo

Cavalo Crioulo - Agenda: semifinais e Final Nacional do Crioulaço são destaque



A agenda marcada para a segunda quinzena de abril, entre os dias 16 e 30, segundo o calendário da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), conta com 38 eventos. Entre credenciadoras ao Freio de Ouro e concentrações de machos, estão marcadas quatro semifinais e uma grande final. Fora da agenda da quinzena, por ter iniciado ontem, está acontecendo também o Bocal de Ouro, uma das mais importantes provas da raça Crioula.

As semifinais que serão disputadas nas próximas duas semanas serão morfologias passaporte e classificatórias de paleteada. A morfologia passaporte que acontecerá em Uruguaiana/RS, no dia 24 de abril, será a segunda do ciclo, seguida pela exposição morfológica de Campo Grande/RS entre os dias 26 e 27.

Alegrete/RS receberá, no dia 26, uma das duas classificatórias de paleteada marcadas na agenda atual. Mas Esteio/RS é a cidade que, apesar dos poucos eventos marcados na agenda, mais se destacará durante os próximos quinze dias. A cidade que recebe os maiores eventos da raça Crioula no Parque de Exposições Assis Brasil sediará uma final a mais neste ciclo: a Final Nacional do Crioulaço, prova que após dois anos fazendo parte da programação do Freio de Ouro, voltou a ter evento próprio e acontecerá entre os dias 25 e 27 de abril.

A classificatória de Inéditos já começou
Ontem, no dia 15 de abril, teve início o evento que é considerado o segundo mais importante do ciclo: o Bocal de Ouro. Fora da agenda da quinzena por já ter começado e tendo continuidade até o dia 20, a prova que classifica apenas animais inéditos para o Freio de Ouro é uma das mais prestigiadas da raça Crioula. Integrando a prova estão a primeira morfologia passaporte do ciclo, a Expo Outonal, e a classificatória de paleteada de Esteio/RS, que está marcada na agenda da semana.

Sempre superando expectativas, nove animais classificados pelo Bocal de Ouro subiram no pódio do Freio de Ouro nos últimos cinco anos. Dois destes animais, Uva Merlot 340 Maufer e Cadejo da Maior, classificados pelo Bocal de Ouro, foram grandes campeões do maior título da grande final em 2009 e 2013, respectivamente. Oraca do Itapororó, vencedora do Bocal de Ouro em 2012, também foi a grande campeã do Freio de Ouro ao lado de Cadejo da Maior, no ano passado.

Fonte : Raça Crioula http://www.racacrioula.com.br/

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Luciano Maia lança CD A gaita do Rio Grande



O álbum ‘’A gaita do Rio Grande’’ é a primeira etapa de um projeto de resgate da obra de grandes Mestres do acordeom gaúcho pelo conceituado e premiado instrumentista e compositor Luciano Maia. Valorizando as obras do cancioneiro gaúcho, compostas a partir do instrumento símbolo do Estado, Maia pretende enaltecer a verdadeira identidade da cultura regional e trazer à contemporaneidade canções que representam a alma do Rio Grande do Sul.

O álbum com lançamento pela gravadora ACIT traz em seu repertório músicas de Albino Manique, Edson Dutra, Adelar Bertussi, Honeyde Bertussi, Luiz Carlos Borges, Beto Caetano e ainda músicas inéditas do próprio Luciano Maia, compostas especialmente para este trabalho.  Os músicos convidados para o CD foram Matheus Alves e Ricardo Arenhaldt com produção musical assinada pelo próprio Maia com mixagem de Saul Jones da Audio Laser e masterização de Carlinhos Weiss.

01. Madrugada – Vanera
02. Sentimento de Gaiteiro – Milonga
03. De Véio pra Véio – Vanerão
04. Chote Macanudo – Chote
05. Baile de Candeeiro – Rancheira
06. A Gaita do Rio Grande – Vanerão
07. Campo Aberto – Vanera
08. Talho da Tramontina – Chamarra
09. Lágrimas – Valsa
10. Canção ao mundo novo – Canção
11. Oh! De Casa / Cancioneiro das Coxilhas

Novo site de Luciano Maia



Acordeonista, cantor e compositor, natural de Pelotas – RS. É um dos mais respeitados músicos do sul do país. Atua também como produtor musical e arranjador e realiza intenso trabalho de pesquisa e composição da música gaúcha, remetendo o som regional do acordeom a uma linguagem contemporânea fazendo uma fusão entre o sul do Brasil e o resto do mundo.

Possui sete discos lançados, entre eles o disco instrumental “Cruzando a pampa” (2007), indicado pelo jornal Zero Hora como um dos cinco melhores discos do ano e vencedor do Prêmio Açorianos de música como melhor disco regional, e ainda “Cordeona-me” (2012), disco em parceria com o poeta Gujo Teixeira, igualmente contemplado no prêmio Açorianos como melhor disco regional.

O reconhecimento por sua atuação também veio através de importantes prêmios conquistados, entre estes, Prêmio Vitor Mateus Teixeira da Assembléia Legislativa do RS, seis prêmios açorianos como artista revelação, instrumentista e compositor regional e ainda duas indicações ao Prêmio da Música Brasileira (2001 e 2010).

Neste ano de 2014, Maia apresenta o lançamento de um projeto de resgate de clássicos de grandes gaiteiros gaúchos, intitulado “A Gaita do Rio Grande”, e ainda prepara o lançamento do CD instrumental Janelas ao Sul, com participações especiais do acordeonista Bebê Kramer e do multi-instrumentista Arismar do Espírito Santo e texto de apresentação de Toninho Ferragutti.

Luciano tem representado a música do Sul do Brasil em importantes projetos musicais no Brasil e na Europa. Recentemente apresentou-se a convite da embaixada brasileira em Londres, na Inglaterra, no projeto Memória Musical Brasileira, no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça. Também excursionou em turnê pela Alemanha e França com o grupo instrumental Quartchêto, atuou como diretor musical do espetáculo Galpão Crioulo 30 anos da RBSTV e ainda atuou como solista do concerto Piazzolla Coreografado da Orquestra de Câmara da Fundarte.

Quando Luciano Maia sobe ao palco nos leva a um amplo universo sonoro que revela com bom gosto, toda musicalidade e regionalismo que seu talento abriga: peculiaridades que fazem dele um legítimo representante do acordeom brasileiro, naturalmente gaúcho.

terça-feira, 15 de abril de 2014

César Oliveira & Rogério Melo são finalistas do 25º Prêmio da Música Brasileira


Pela 4ª vez, o dueto está entre os finalistas do Prêmio da Música Brasileira, maior premiação da produção musical no país. Vencedores da categoria melhor dupla regional em 2008, César e Rogério também estiveram entre os indicados em 2007 e 2012. Neste ano, concorrem novamente na categoria de melhor dupla regional pelo disco "Era Assim Naquele Tempo...!", selecionado a partir 799 CDs inscritos.

O júri é formado por uma seleção de 20 integrantes, e inclui músicos e jornalistas. A cerimônia de premiação acontece no dia 14 de maio de 2014, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

"Estamos efetivamente muito honrados em representar novamente o amor de um povo pela sua cultura. Buscamos sempre, da melhor forma possível,
desempenhar esta incumbência", diz César Oliveira.

Para Rogério Melo, o sentimento é de "satisfação e gratidão! Satisfação por ser indicado, mais uma vez, sabendo o quanto isso significa para quem produz música regional, e muita gratidão por cada uma das pessoas que fazem parte deste trabalho e por todas que acreditam e torcem por nós!".

Classificadas 3º Canto Campeiro da Canção Nativa de Viamão


O festival acontece nos dias 26 e 27 de abril de 2014, no Parque de Eventos da ETA ( Escola Técnica de Agricultura). RS 040, parada 64 - em Viamão/RS

Sesmaria do verso
L. Cristiano Medeiros –  Silvio Genro –
M. Adriano Medeiros – Renato Fagundes

Cenário de Galpão
L. M. Mário Amaral

Luzes e Mistérios
L. João Sampaio – Jucelino Voçosa –
M. Halber Lopes –Cristiano Fantinel

Gineteda na Lagoa
L. Joaqui Ramos
M. Diego Vivian

De acordes e Cores
L. Juca Moraes –
M. kauê Dias

Os Saqueadores da Pátria
L. Helena Fontana
M. Sérgio Rosa

Marciliano
L. M. Leonardo Quadros

Me Perdoe Meu Cavalo
L. Hermes Regis Lopes
M. Juliano Moreno

Essa Tal Saudade
L. Miguel Borba
M. Miguel Borba – Andriego Von Laer

Querendão das Feia
L. Luiz Fernando Reis
M. Juliano Moreno

Cruz Colorada
L. M. Paulo dias Garcia

A palavra
L. Mauro Rosa
M. Fernando Saalfeld – Cristiano Quevedo

Convite para o show de Lançamento do CD Volmir Coelho Nos Festivais



O cantor e compositor Volmir Coelho lança seu mais recente trabalho para público Santanense no dia 19 de Abril a partir das 21 horas nas dependências do Hotel Palace , localizado na rua Manduca Rodrigues 615 , centro de Santana do Livramento . A entrada será no valor de R$10,00 com direito a um CD .

Cavalo Crioulo - Conheça as provas do Freio de Ouro e os critérios de avaliação



Freio de Ouro é uma avaliação rigorosa e integral do cavalo da raça crioula. Acompanhe, passo a passo, como ocorre uma competição do Freio de Ouro.

 O Freio de Ouro divide-se em duas etapas:

PARTE 1 - MORFOLOGIA: é uma avaliação do padrão racial e do nível de enquadramento do animal aos padrões seletivos da raça. São valorizadas, nessa etapa, características como o equilíbrio estrutural, a frente leve, a firmeza da linha superior e um bom relevo muscular. Todo o conjunto tem de estar bem sustentado sobre bons aprumos. Pontuação: de zero a dez

PARTE 2 - PROVA FUNCIONAL: a segunda fase da competição, a parte funcional, que avalia o desempenho do animal em atividades derivadas das lidas do campo, divide-se em dois momentos:

Primeiro momento

1) Andadura:

Na primeira demonstração funcional da prova, exige-se do cavalo a definição e manutenção de três modos diferentes de andar:

a) Tranco

b) Trote

c) Galope

São observados nessa etapa a tipicidade do andar, a comodidade, o avanço e o equilíbrio.

Pontuação: de zero a 15.

Tranco = de 0 zero 3

Trote = de zero a 8

Galope = de zero a 4

Importante: o trote tem peso maior na pontuação porque é a andadura mais utilizada pelo cavaleiro em um deslocamento longo pelo campo.

2) Figura:

Prova de média exigência, desenvolvida em um circuito demarcado por fardos de feno, em que se avalia o equilíbrio nas trocas de mãos e patas, potência de execução e submissão a todas as solicitações do ginete.

Pontuação: de zero a 15

3) Volta sobre patas e esbarrada:

Um dos momentos mais difíceis do Freio do Ouro. Divide-se em duas partes:

a) Volta sobre patas: O ginete leva o cavalo à frente dos jurados, faz o animal girar sobre o próprio corpo 360 graus para um lado e em seguida para o outro. Pode fazer de uma a três voltas. Mas deve fazer para um lado o mesmo número de voltas que realizou para o outro.
b) Esbarrada: O ginete acelera o cavalo por uma distância de 20 metros e em seguida solicita ao animal uma freada brusca, fazendo com que ele se apóie sobre os posteriores. O cavalo praticamente "senta" no chão. A seguir, o ginete repete o movimento em sentido contrário. Esta etapa traduz um dos movimentos símbolos do cavalo de trabalho, que é a sua completa submissão ao comando do cavaleiro. O cavalo tem de enfiar corretamente os posteriores entre as mãos e parar sem saltar.

Pontuação: de zero a cinco para a volta sobre patas, sendo 2,5 pontos para cada lado que o animal roda. E de zero a dez para a esbarrada, sendo cinco pontos para cada movimento executado.

4) Mangueira:


É o primeiro momento em que o cavalo trabalha com gado. Na mangueira, o animal mostra sua aptidão vaqueira, equilíbrio, impulsão e coragem. Esta prova é tão importante que ocorre duas vezes durante o Freio de Ouro. Divide-se em três momentos:
a) O cavalo tem de apartar (separar) um dos dois novilhos que estão na mangueira.
b) O cavalo tem de manter o novilho afastado do outro bovino por 45 segundos.
c) O cavalo tem de arremeter com o peito, ou "pechar" (do espanhol, el pecho, o peito) contra a lateral do novilho apartado num ângulo de 45 graus, primeiro por um lado e depois pelo outro, e fazer o animal recuar. Tem 45 segundos para executar o movimento.

Pontuação: de zero a 15.

Aparte = de zero a 10

Pechada = de zero a 5 (2,5 pontos para cada execução)

5) Prova de Campo ou Paleteada 1:

Última e decisiva etapa do Primeiro Momento do Freio de Ouro. Observa-se aqui, mais uma vez, a aptidão vaqueira, a velocidade, a força e a total submissão do cavalo ao cavaleiro. Duplas, formadas pelo resultado da pontuação acumulada até o momento (o primeiro com o segundo, o terceiro com o quarto e assim sucessivamente) perseguem um novilho por uma raia de 110 metros de comprimento por 50 metros de largura, com marcações de fardos de feno aos 30 metros, 80 metros e 110 metros. Nos primeiros 30 metros, os ginetes deixam o novilho correr. Entre os 30 metros e os 80 metros, o novilho deve ser "prensado" entre as "paletas" dos dois cavalos, daí a expressão paleteada. Após a ultrapassagem do marco de 80 metros e antes do final da raia, os ginetes adiantam os cavalos em relação ao novilho, cortando-lhe a frente, para que o animal retorne. Na volta, a paleteada se repete, para que o novilho seja reconduzido à mangueira. Pontuação: de zero a 15

Importante: Até este momento, as notas que aparecem nas placas são multiplicadas por 1,5. A seguir, é feita a soma de todas as notas obtidas e o resultado é dividido pelo número de provas executadas e somado com a pontuação da morfologia. O resultado credencia de 40% a 50% dos cavalos e ginetes para o segundo momento do Freio de Ouro.

Segundo momento

6) Mangueira:

A prova é uma repetição dos movimentos executados no primeiro momento.

Pontuação: de zero a 20

7) Bayard-Sarmento:

Prova em que se exige velocidade na execução, correção nos movimentos e atenção à submissão. É realizada em uma raia de 80 metros. O cavalo arranca em velocidade, percorre 40 metros, esbarra, faz a volta sobre patas para um lado e para outro de uma a três vezes, volta a correr 40 metros, esbarra novamente. Depois gira 180 graus, corre mais 40 metros e repete a esbarrada. Faz a volta sobre patas para ambos os lados, corre mais 40 metros e faz a última esbarrada.

Pontuação: de zero a 20


8) Prova de Campo ou Paleteada 2:

Tudo igual à primeira.

Pontuação: de zero a 20

Importante: As notas que aparecem nas placas deste segundo momento do Freio de Ouro são multiplicadas por dois e somadas. A soma é dividida pelo número de provas executadas até o momento e o resultado é somado com a pontuação da morfologia. Chega-se, assim, ao resultado final da prova do Freio de Ouro.

Fonte : Freio de Ouro 2014

Programa De Campo e Alma ao vivo !


segunda-feira, 14 de abril de 2014

Hoje tem Noite de Ronda !


Visita do fotografo Eduardo Rocha

Edmilson Rodrigues , Eduardo Rocha e Matias Moura


Na Sexta-feira recebemos nos estúdios da Rádio Fronteira Gaúcha um dos grandes fotógrafos do nosso estado , especializado em fotografia rural Eduardo Rocha para uma Charla na hora do mate .
Como é bom ver pessoas que estão fazendo a diferença em suas áreas de atuação valorizando a nossa cultura gaúcha !

Por Matias Moura

Campereada Internacional de Livramento tem recorde de cavalos em prova de doma de 21 dias


Alheia à tentativa de boicote do MTG à 32a Campereada Internacional de Santana do Livramento, a gauchada que organiza a festa começou os trabalhos de avaliação neste sábado ( 12 de abril ), com a visita às fazendas que concorrem na prova do “redomão de 21 dias”. A partir deste sábado, cerca de 80 cavalos xucros começaram a ser domados, para, daqui a 21 dias, no começo do rodeio, participar de avaliação e prova específica para esses animais. “É  uma recorde em 32 anos de campereada” festeja Sérgio Munhoz, presidente da comissão do rodeio. A chamada “revisão”, em que juízes da campereada visitam o começo da doma, prossegue neste domingo.


Na noite desta sexta-feira ( 11 ), o CTG Rincão da Carolina lotou para a festa de lançamento do rodeio. A entidade, que é filiada ao MTG, deve participar da campereada. Na próxima semana, a prefeitura da cidade vai ingressar com uma medida judicial para tentar impedir que o MTG puna entidades filiadas que pretendem participar do evento.

Fonte : Repórter Farroupilha

domingo, 13 de abril de 2014

2ª Feira Binacional de Páscoa de Livramento y Rivera


Fonte : Jornal A Plateia 

Iniciou neste sábado, 12 de abril, as 9h a 2ª Feira Binacional de Páscoa, realizada pela Secretaria de Turismo de Sant’Ana do Livramento e Rivera, no Parque Internacional, com o objetivo de oferecer a oportunidade para os artesãos apresentarem seus trabalhos nessa semana aos turistas e fronteiriços. Durante os dias pela manhã e à tarde, também haverá atividades, no Parque Internacional e à noite, terá diversas apresentações artísticas, shows, mateadas, feira de peixes, horti-frutti, artesanatos, brinquedos infláveis, feira de peixe de produção local, sorteios de brindes, entre outras atividades.

Segundo a secretária de Turismo, Denise Toledo, para participar e apresentar seu trabalho na Feira, os trabalhadores não precisam pagar nada. “Todas as secretarias estarão presentes. Esperamos que seja uma grande feira, temos artesãos brasileiros, uruguaios e pessoas de cidades próximas, já inscritas para participar e, além disso, ainda temos o pessoal da agroindústria, da agricultura familiar e da Economia Solidária. Junto com a feira, há um espaço com turismo, com a divulgação do nosso material”, relatou ela.


Ainda segundo a secretária, “há um projeto piloto com a empresa São Jorge, que, com um custo de R$ 13,00 os fronteiriços e santanenses poderão fazer um passeio turístico pela Eólica, que contará com um guia e após irão à Vinícola, onde terá um minicurso com degustação de vinho e as pessoas terão uma oportunidade para conhecer nossas riquezas. Durante a semana, teremos diversas atrações”, declarou ela.

Festivais com Inscrições Abertas



29ª Edição do Carijo da Canção Gaúcha de Palmeira das Missões. Inscrições até 07 de abril de 2014. Regulamento disponível AQUI

3º Canto Campeiro de Viamão. Inscrições até 07 de abril de 2014. Regulamento disponível AQUI

-  Joãozinho da Ponte. Inscrições até 15 de abril de 2014. Regulamento disponível AQUI

22ª Sapecada da Canção Nativa de Lages/SC. Inscrições até 21 de abril. Regulamento disponívelAQUI

24ª Vigília do Canto Gaúcho de Cachoeira do Sul. ETAPA MUNICIPAL inscrições até 30 de abril, ETAPA ESTADUAL inscrições até 31 de agosto. Regulamento disponível AQUI  

Fonte : Bahstidores.com

Shana Müller escreve sobre show que marcou seus 10 anos de carreira

Shana Müller cantou ao lado de Soledad Pastorutti (Foto: Djuliane Rodrigues/Divulgação)


Por Shana Müller
Da RBS TV

Não teria como não aproveitar esse espaço para falar da alegria que vivi no último domingo (6), quando dei início às comemorações dos meus 10 anos de carreira no teatro do Sesi em Porto Alegre. Felicidade em ver tanta gente prestigiando a música folclórica e poder levar meu show na mesma noite que a "Sole", artista jovem que inspira como cantora e profissional.

Contar com amigos no palco que me acompanham nesta trajetória, alguns há mais e outros há menos tempo, mas de mesma importância. Talentosos músicos que emprestam sua arte à minha música. Receber artistas do porte, da importância e da amizade de Luiz Carlos Borges, Paulinho e Ernesto Fagundes, parceiros nessa primeira década em momentos muito importantes da minha breve história e receber a companhia e o talento de Pedrinho Figueiredo pela primeira vez no palco comigo.

Abençoada! Só posso dizer isso. Benção é poder fazer o que se gosta, ver olhares atentos e carinhosos na plateia, ao meu lado e nos bastidores. Meu sincero agradecimento a todos. Nada se faz sozinho, muito menos música. A minha equipe: Natália, Deia Martins, Celito, Silvia, Marciano, Rafinha, Bernardo e sua equipe. As boas energias das companheiras e companheiros, Lucas, Vaney, Felipe e Glauco. Á Hits pela oportunidade dessa noite e a Sole, pela alegria, pelo talento e pelo carinho de estarmos juntas no palco.
Beijos a todos e até breve!

Siga o twitter @galpaocrioulo e curta a página facebook.com/galpaocrioulorbtv

sábado, 12 de abril de 2014

Hoje tem programa Recuerdo



Logo mais, a partir das 17hs deste 12 de abril a Rádio Fronteira Gaúcha apresenta mais uma edição do programa Recuerdo, ao vivo, trazendo grandes sucessos da música riograndense do passado. Para rodar na vitrola, serão apresentados dois álbuns instrumentais: O Gaiteiro, álbum do grande mestre do acordeon riograndense Albino Manique e Gaita Assanhada, lp solo do grande maestro Cezar Ferreira. Portanto, Edmilson Mendes Rodrigues te espera a partir das 17hs na Rádio Fronteira Gaúcha "Um marco na pampa" para reviver a boa música do RS no seu original, direto do toca discos. Um ótimo final de semana a todos!


sexta-feira, 11 de abril de 2014

Fotógrafo gaúcho, natural de Dom Pedrito/RS, destaque para suas fotos que captam a essência e a vida rural.

 Eduardo Rocha estará ministrando um curso sobre fotografia rural em uma cabanha em Livramento neste final de semana !

E hoje estaremos recebendo este grande profissional na Rádio Fronteira Gaúcha , durante o programa especial Charla de Fronteira a partir das 17h30 !

Eduardo Rocha 

por Sebastião Ribeiro

Eduardo Rocha ostenta uma jovem, mas prolífica carreira. Começou a lidar com as câmeras e lentes profissionalmente em 2006 e hoje já é referência no sul do país quando assunto é fotografia campeira.

Nos primeiros anos de atividade, já esteve à frente de pelo menos três grandes projetos. O Origem Crioula envolve expedições pelos principais quatro países produtores de cavalos crioulos, retratando o dia-a-dia nas cabanhas e as manadas a campo. O resultado foi apresentado em uma série da revista Crioulos e outra do Canal Rural. Ao se engajar no Cavaleiros da Paz, idealizado há duas décadas por Nico Fagundes, acompanhou de perto a rotina de expoentes do tradicionalismo em roteiros percorridos a cavalo por lugares históricos do Pampa. Já a Viagem ao Fim do Mundo envolveu uma expedição ao extremo sul do continente americano, entre Calafate e Ushuaia, captando o universo áspero e belo da Patagônia.
Seja em grandes viagens ou sessões de fotos comerciais para cabanhas, Eduardo Rocha consegue transformar em arte a vida natural e humana do Pampa. Em busca da melhor foto, não hesita em ficar horas atrás de uma moita, à espreita do mais belo movimento dos animais na hora da melhor luz. Gosta mesmo é de interagir com a paisagem, imiscuir-se na natureza. Sente-se à vontade no lombo do cavalo ou dormindo em um galpão de campanha.

Mas talvez um do sucesso esteja no lado urbano de Eduardo Rocha. Embora quando piá passasse as férias nos campos da família, na Fronteira entre Brasil e Uruguai, o fotógrafo, nascido em 03 de abril de 79, é natural da cidade de Dom Pedrito. Publicitário, mudou-se em 2000 para Porto Alegre, onde fundaria mais tarde a Agência Visual, líder em comunicação rural no mercado gaúcho. A sensibilidade estética que já tinha na criação de peças e catálogos para cabanhas foi a base para o seu trabalho na fotografia campeira.

Hoje, tem a mesma desenvoltura no meio do campo ou à frente do computador, manejando softwares de criação visual, edição de fotografia ou interagindo em redes sociais. A aliança entre o passado no interior com a intimidade da vida moderna fez com que Eduardo Rocha desenvolvesse como poucos um diálogo entre o rural e o urbano e passasse a ser admirado via web por tradicionalistas de todos os recantos. Quem sai ganhando é a cultura gaúcha!

Mais detalhes em: http://www.eduardorocha.fot.br/portfolio/

Contatos:
55 51 9167 1687
contato@eduardorocha.fot.br
Skype: eduardo_rocha_paz
http://twitter.com/edurocha_fot


















quinta-feira, 10 de abril de 2014

Jurados da Sapecada da Canção Nativa 2014.



Rogério Villagran, Maicon Oliveira, Athur Mattos, Angelo Franco, Michel Martins, Ricardo Comassetto e Diego Müller compõem o corpo de jurados da 22ª Sapecada da Canção Nativa e 14ª Sapecada da Serra Catarinense. A primeira atividade dessa equipe está marcada para os dias 25, 26 e 27 de abril, quando farão a triagem das músicas inscritas. O encontro ocorre no auditório da Fundação Cultural de Lages (FCL) e é aberto ao público. Eles avaliarão letra, melodia, arranjo e apresentação em palco.

 Arthur Mattos




O cantor e compositor lageano atua na música crioula desde 2002, quando iniciou como intérprete do grupo “Os Birivas”, formado por jovens dedicados a verdade e à qualidade da música campeira.  Há cinco anos participa de vários festivais nativistas como compositor e principalmente como intérprete, tendo parceria com grandes nomes do nativismo como Marcelo Oliveira, Gujo Teixeira, Zé Renato Daudt, Lisandro Amaral, Xirú Antunes, entre outros.

 O destaque veio no ano de 2013 com participação na Sapecada da Canção Nativa com a música “Quando meu canto passar”, de Rafael Ferreira, Maicon Oliveira e Vitor Amorim, canção que conquistou sete troféus no festival. Na 37ª Califórnia da Canção Nativa, primeiro e principal palco dos festivais nativistas, em Uruguaiana (RS), foi finalista com a composição “Pitaluga de Luzeiro”, de Rafael Teixeira Chiappetta, Guilherme Collares e Lisandro Amaral. No primeiro semestre deste ano lançará seu segundo disco intitulado “Oração do Campo”.


Maicon Oliveira



Instrumentista, compositor e arranjador, é natural de Pinhal da Serra, no Rio Grande do Sul. Em fase final de formação no curso de medicina veterinária, reside em Lages desde 2008, onde conheceu músicos e poetas da região. Foi na Serra que iniciou suas primeiras parcerias atuando em festivais e realizando trabalhos musicais paralelos. Participou de diversos festivais nativistas no Rio Grande do Sul e Santa Catarina como a Sapecada da Canção Nativa, Ronda da Canção Gaúcha, Aldeia da Canção, Carreteada da Canção, Rodeio da Canção Serrana, Baqueria de los Pinhais, Fronteira da Canção, Comparsa da Canção, entre outros, obtendo bons resultados na maioria deles.

 Iniciou seu interesse pela música aos 9 anos de idade, quando desenvolveu seus estudos com o violão, de forma autodidata. Inspirado e baseado no violão gaúcho nunca dispensou os recursos que a música universal oferece. Participou pela primeira vez da Sapecada da Serra Catarinense em 2010 com a composição “Juca Guasqueiro”, em parceria com o poeta vacariano Rafael Ferreira, e, no ano seguinte, obteve os prêmios de 2º lugar e melhor letra, em duas parcerias com o poeta lageano Ramiro Amorim. Em 2013 foi premiado com o 1º lugar, melhor letra, melhor melodia e melhor conjunto vocal na Sapecada da Serra Catarinense com a música “Quando meu canto passar”, obra essa que obteve as premiações do 3º lugar, melhor conjunto vocal e música mais popular.

Angelo Franco


Missioneiro de São Luiz Gonzaga, cantor poeta e compositor com mais de quatrocentas composições gravadas, participante assíduo dos festivais de música regional do país, nos quais já foi diversas vezes premiado como na Coxilha Nativista, Califórnia da Canção, Reponte, Musicanto Sul-Americano, Aldeia da música do Mercosul, Moenda da Canção, Festival da música Crioula de Santiago, Gauderiada da Canção, Sapecada da Canção, Festival de Músicas de Carnaval Aparício Silva Rillo, entre outros.

Tem três discos individuais: “Coplas de um Gaúcho Brasileiro” (Master 2000), “Eu sou Gaúcho”(Usa 2005) e “De Onde Venho” (Master 2010). Além dos discos solo, faz parte do Projeto Buenas e M’espalho, juntamente com Erlon Péricles, Shana Müller e Cristiano Quevedo, projeto vencedor dos prêmios açorianos de música, como melhor disco regional nos anos de 2008 e 2011 com os discos “A Bombacha da Modernidade” (Master 2008) e” #buenas_2”(Acit 2011). Angelo Franco acredita na arte autêntica, desde que com comprometimento e profissionalismo.

Michel Martins


A influência musical sempre esteve presente em sua vida através do pai e tios. Foi assim que surgiu o interesse pelo violão. Aos 12 anos já tirava alguns acordes e com 14 veio a primeira composição. Nesse período conheceu o guitarrón e se dedicou ao instrumento. Um ano depois subiu  ao palco da Sapecada pela primeira vez. De lá pra cá, participou de todas as edições desse Festival. Conquistou o 1º lugar por seis vezes, sendo duas com músicas de própria autoria.

 Em 2007 começou a se apresentar com Kiko Goulart, Vitor Amorim e Índio Ribeiro no Quarteto Coração de Potro. Permaneceu com o grupo por sete anos participando de diversos festivais em Santa Catarina e no Rio  Grande do Sul, obtendo mais de 80 troféus em premiações diversas. Além dos três Estados do Sul, se apresentou em São Paulo. Gravou guitarrón nos dois discos do grupo. Paralelamente a música, atua na profissão de designer gráfico.


Rogério Villagran


Natural de São Gabriel, no Rio Grande do Sul, morou em Lages por oito anos. Poeta e compositor da linha campeira, defende e retrata as coisas e a vivência do homem do campo por ter nascido neste meio e sido criado pelos galpões. Formou-se peão de estância, ginete, domador, esquilador, guasqueiro e é profundo conhecedor dos ofícios campeiros, que hoje enriquecem e sustentam sua poesia. Ingressou nos festivais junto com Enio Medeiros, o que resultou em parcerias como “Crescente Macharrona”.

Com César Oliveira conquistou espaço no meio musical nativista participando de festivais como o Ponche Verde da Canção Gaúcha, Reculuta da Canção Crioula, Califórnia da Canção Nativa, Um Canto para Martin Fierro, Sapecada da Canção Nativa e Vigília do Canto Gaúcho. Venceu a 5ª Aldeia da Música do Mercosul com a “Milonga do peão mensual” e a 16ª Estância da Canção Gaúcha com “Meu tordilho rouba moça”. Tem um disco gravado. Em “Apegos e Anseios do Meu Canto”, César Oliveira interpreta somente composições de sua autoria.

Ricardo Comassetto




É músico, instrumentista e arranjador. Natural de São Luiz Gonzaga, começou sua carreira profissional aos 17 anos de idade. Participante ativo de festivais, obtendo premiações na maioria deles, como melhor instrumentista no Ponche Verde da Canção, Sentinela da Canção, Baqueria de Los Piñares, Comparsa da Canção Nativa, Ronda da Canção Gaúcha, Levante da Canção Gaúcha. Ganhou prêmios de melhor arranjo, 1°, 2° e 3° lugares várias vezes. Em 2009 e 2010, na Argentina, participou com Luiz Carlos Borges de um dos maiores eventos de chamamé do país.

 Já atuou com diversos cantores: Luiz Marenco, Cesar Oliveira e Rogério Melo, Juliana Spanevello, Jari Terres, Fabiano Bacchieri, Raineri Spohr. Também gravou com diversos artistas gaúchos, entre eles Luiz Marenco, Lisandro Amaral, Marcelo Oliveira, Jari Terres, Joca Martins, Juliana Spanevello, Fabiano Bacchieri e Artur Mattos. Faz parte do grupo “Curandeiro Silêncio”, que acompanha os cantores Lisandro Amaral e Marcelo Oliveira. Está em fase de pré-produção do seu disco.


Diego Müller


Jovem acadêmico de arquitetura e urbanismo, atuante na área da arquitetura hospitalar e clínica, instrutor de danças folclóricas, letrista e compositor. Aos 16 anos fez seus primeiros versos, despretensiosos, tendo como influência a poética maior do músico Noel Guarany e seus descendentes missioneiros Cenair Maicá, Pedro Ortaça, Jayme Caetano Braun e Jorge Guedes. Prática que se torna essencial a seu crescimento intelectual. Três anos depois, quando começam suas participações mais ativas em festivais de músicas, se destacou na poética com visões latino-americanas.


Fez sua estreia no meio literário com uma pioneira edição. Livro lançado em 2007, por uma editora correntina, intitulado Ñande retá chamamecera (Nossa terra chamamecera), como projeto inédito de resgate do chamamé guarany antigo em forma de poesia. O livro contou com a parceria do consagrado poeta de Itaqui, João Sampaio, a quem tem hoje como seu maior parceiro.

Como letrista, traz mais de 300 obras editadas em CDs com parcerias com grandes nomes da musicalidade contemporânea gaúcha. Inspirado no resgate de temas folclóricos do povo gaúcho, brasileiro e latino-americano, desde 2000 participa do movimento nativista dos festivais como  compositor e músico. Entre alguns de seus parceiros de obras estão Jorge Guedes, Pedro Ortaça, João Sampaio, Marco Aurélio Vasconcellos, Edilbérto Bérgamo, Joca Martins, Alejandro Brittes, Elton Saldanha, Rodrigo Bauer, Martim César, Wilson Paim, Pedro Ortaça, Valdomiro Maicá, Robledo Martins, Érlon Péricles, Cristiano Quevedo.

 Já dividiu palco com grandes nomes do nativismo musical, incluindo apresentações com Ramon Ayala, expoente da musicalidade latino-americana, missioneira e guarany. Atualmente finaliza dois projetos fonográficos intitulados “Coração da minha gente”, em parceria com Érlon Péricles, contendo temas exclusivos de sua participação em festivais.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...